Tempos de crise: mudar ou lamentar?

“São inúmeras as ofertas para o nosso desenvolvimento emocional, talvez mais do que a mente possa captar”, basta estar atento as transformações que ocorrem no dia-a-dia.

O que está por trás de um gestor que consegue empreender mudanças, antever tempos de tormenta e se tornar protagonista de uma nova história? Alguns podem atribuir essa qualidade a experiência, formação acadêmica e conhecimento da cultura empresarial. Porém, especialistas apontam que há um fator fundamental que serve de base para que este processo dê certo: o equilíbrio emocional com foco e objetivo definidos.

Aplicar esses elementos no dia a dia é um grande desafio, e requer prática. Entretanto, há um profissional capaz de acelerar e auxiliar neste processo: UM BOM CONTADOR, hoje ganha destaque no cenário empresarial. Muitas vezes, as empresas buscam a ajuda destes especialistas em casos de crise ou transição.

O bom relacionamento com seu contador permite que o seu coachee (assessorado) acesse suas competências, mesmo aquelas que ele acredita estarem “adormecidas”.  “Quando essa habilidade é ativada, ele passa a planejar em congruência com a visão de cenários e futuro. A capacidade profissional de lidar com adversidades e utilizar bem as oportunidades fica potencializada”, destaca.

>O grande desafio está em identificar as emoções e saber que cada uma delas pode ser direcionada para resolver as inúmeras demandas de uma empresa em tempos de crise.  “Através do coaching contábil eficaz é possível tornar essa utilização mais automática e disponível mais vezes no cotidiano. Essa ferramenta oferta uma oportunidade para realizar e promover mudanças sustentáveis no dia a dia”.

O método permite transformar os aspectos simples da vida, a cada minuto. “Somos movidos por várias emoções, seja no trânsito ou em casa, ao gerenciar diversos interesses e, principalmente, no trabalho, ao desenvolver atividades que agregam diversidades e sempre tentando manter o foco em tudo. Exercer todas as atividades, sem estar preparado emocionalmente, culmina em desgaste e falta de motivação”.

São inúmeras as ofertas para o nosso desenvolvimento emocional, talvez mais do que a mente consciente possa captar. “Por exemplo, é possível reconhecer que através de pequenas ações estamos constantemente sendo colocados em experiências que geram resultados diferentes dos esperados, o que poderíamos intitular de “frustração”. E aí, sim, teríamos uma bela armadilha emocional, que nos privaria de experimentar um dia a dia com inúmeras possibilidades, resultando numa vida profissional sem graça e com inúmeras queixas”.

Todos possuem inteligência emocional, o que resta saber é que existe, sim, a possibilidade de aprender “como” manusear as emoções de acordo com os objetivos. “Quando você utiliza suas emoções para realizar algo melhor, sua inteligência emocional está em alto desempenho. Quantos já não viveram um dia ao revés, aquele em que tudo caminha em uma direção diferente da planejada?  Nessas ocasiões, a sábia vida faz um convite para exercitarmos nossa inteligência emocional. Utilizando-a corretamente, conseguimos tornar esse dia, que tinha tudo para ser ruim, produtivo e bom.

Quem acessa essa capacidade terá um dia criativo e, quem sabe, até divertido. Por mais difícil que possa parecer, isso é possível. “Nossa neurologia tem a magnífica aptidão de apreciar e de desenvolver novos caminhos. Quanto mais você usá-la para diversificar, driblar situações com novas estratégias, maior a resiliência ao negativo e mais vigor no positivo, algo que no mercado vale muito. Inúmeras empresas investem para seus colaboradores desenvolverem essa competência”.